Destaques

Novidades legislativas

DECRETO Nº 8.858/2016 – Dispõe sobre o emprego de algemas, em especial, nas mulheres.

Publicado o DECRETO Nº 8.858, DE 26 DE SETEMBRO DE 2016 que dispõe sobre o emprego de algemas no ordenamento jurídico brasileiro. Clique aqui e confira!

Publicado o DECRETO Nº 8.858, DE 26 DE SETEMBRO DE 2016 que dispõe sobre o emprego de algemas no ordenamento jurídico brasileiro. Clique aqui e confira!

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, caput, inciso IV, da Constituição, e tendo em vista o disposto no art. 199 da Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984 - Lei de Execução Penal, DECRETA: 

 
Art. 1º  O emprego de algemas observará o disposto neste Decreto e terá como diretrizes:
I - o inciso III do caput do art. 1º e o inciso III do caput do art. 5º da Constituição, que dispõem sobre a proteção e a promoção da dignidade da pessoa humana e sobre a proibição de submissão ao tratamento desumano e degradante;
II - a Resolução no 2010/16, de 22 de julho de 2010, das Nações Unidas sobre o tratamento de mulheres presas e medidas não privativas de liberdade para mulheres infratoras (Regras de Bangkok); e
III - o Pacto de San José da Costa Rica, que determina o tratamento humanitário dos presos e, em especial, das mulheres em condição de vulnerabilidade. 
 
Art. 2º  É permitido o emprego de algemas apenas em casos de resistência e de fundado receio de fuga ou de perigo à integridade física própria ou alheia, causado pelo preso ou por terceiros, justificada a sua excepcionalidade por escrito. 
 
Art. 3º  É vedado emprego de algemas em mulheres presas em qualquer unidade do sistema penitenciário nacional durante o trabalho de parto, no trajeto da parturiente entre a unidade prisional e a unidade hospitalar e após o parto, durante o período em que se encontrar hospitalizada. 
 
Art. 4º  Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.
 
 
Brasília, 26 de setembro de 2016; 195º da Independência e 128º da República. 
 
MICHEL TEMER
Alexandre de Moraes


Fonte: Planalto

Participe

Gostamos de saber sua opinião. Envie um comentário.